História

A cidade de Santo Antônio de Posse, inicialmente, foi predominantemente rural. Suas fazendas, distribuídas em 154 km2, de extensão, representaram um marco econômico e cultural de suma importância para o desenvolvimento local, sendo primeiramente destinadas ao cultivo de cana-de-açúcar, elas passaram, posteriormente, devido a suas terras férteis, a cultivar café e algodão.

Com a expansão da lavoura cafeeira e pela necessidade de substituição da mão-de-obra escrava, muitos estrangeiros vieram para nossa região à procura de trabalho. Santo Antonio de Posse recebeu a maioria de imigrantes de origem italiana, mas também vieram muitas famílias libanesas e portuguesas.

Os imigrantes desempenharam um papel importante para a formação e o desenvolvimento da cidade, que hoje conta com uma população de mais de 20.000 habitantes e que ainda trazem consigo reflexos da mistura cultural dos povos formadores de sua identidade.

Com o aumento do trânsito para escoamento das safras de café das fazendas, em 27 de agosto de 1875 criou-se a Estação de Ferro, que foi construída no bairro que deu origem à cidade. Todo o café da região era trazido para esta estação e, nela, reensacado para depois ser transportado por trem para os portos, por isso o bairro recebeu o nome “Ressaca” – vindo exatamente a ser denominado assim pelo processo de reensacamento do café.

Em 1893 o povoado do bairro Ressaca foi elevado a Distrito de Paz, anexado ao município de Moji Mirim, com a denominação de “Posse”, tomando a denominação de “Posse de Ressaca” em 1938. Mais de cinquenta anos se passaram e as lideranças de Posse iniciaram o movimento visando obter a emancipação político-administrativa, que contava com o apoio da maioria absoluta da população.

Finalmente, em 1953, a cidade ganhou a condição de município e passou a denominar-se “Santo Antonio de Posse”, cuja instalação oficial ocorreu em 1955. Hoje, fazendo parte da Região Metropolitana de Campinas, Santo Antonio de Posse é o quarto maior PIB entre as pequenas cidades, conciliando agricultura e indústria.

Acessibilidade

Novo modelo de identidade digital padrão do site pmsaposse.sp.gov.br atende às principais recomendações de acessibilidade indicadas para web.

Garantir a acessibilidade na Web é permitir que qualquer indivíduo, utilizando qualquer tecnologia de navegação, visite qualquer ambiente web e obtenha completo entendimento das informações contidas nele, além de ter total habilidade de interação.

Nesse ambiente, buscou-se contemplar as recomendações do WCAG (World Content Accessibility Guide) do W3C e no caso do Governo Brasileiro ao e-MAG (Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico). O e-MAG está alinhado as recomendações internacionais, mas estabelece padrões de comportamento acessível para sites governamentais.

Na parte superior do site existe uma barra de menus onde se encontra atalhos de navegação padronizados, nos subitens de Acessibilidade há opções para alterar o contraste das cores e o tamanho dos objetos, essas ferramentas estão disponíveis em todas as páginas do site.